Itochu

One of the largest trading houses in Japan, Itochu is exposed to widespread social conflict and deforestation risks through its investments in rubber processing as well as trade with companies involved in illegal and unsustainable pulp & paper, timber, palm oil, and natural rubber productions. Itochu makes no commitment to no deforestation for its procurement of pulp & paper, timber, or rubber, and it lacks transparency on supply chain ESG risks and due diligence measures.

Marubeni

A major trading house in Japan with leading market shares in the pulp & paper trade, Marubeni is exposed to widespread social conflict through its pulp production in South Sumatra by subsidiaries PT Musi Hutan Persada (PT MHP) and PT Tanjung Enim Lestari Pulp & Paper (PT TEL), and to deforestation and illegal logging risks […]

Oji Holdings

One of the world’s largest manufacturers of paper and packaging products faces material risks related to land rights conflicts and deforestation by its subsidiary Oji Lao Plantation Forest Ltd. (Oji LPFL) and joint venture PT Korintiga Hutani (Korintiga). Oji LPFL is a joint venture plantation project between the Government of Laos and Lao Plantations Holdings […]

Asia Pulp & Paper (APP)

Asia Pulp and Paper (APP) is one of the world’s largest fully integrated pulp & paper companies, and accounts for more than half of Indonesia’s total pulp capacity. APP’s pulp and paper mills have fuelled massive deforestation, peatland drainage and social conflicts across its 38 supplier concessions covering 2.6 million hectares. APP’s OKI Pulp & […]

Felda Global Ventures (FGV)

Felda Global Ventures (FGV) is the world’s largest producer of crude palm oil and the second largest Malaysian palm oil refiner. FGV has been linked to forced labor, deforestation and peatland development through its plantations operations and business relationships in Indonesia and Malaysia.

IOI Group

IOI Group is one of Malaysia’s biggest corporations and a major producer and trader of palm oil with a revenue of USD 2.9 billion in 2015. IOI has failed to address many social and environmental risks in its supply chain. Recent evidence of IOI clearing forests, draining peatlands, operating without proper licenses and failing to prevent fires resulted in a four-month suspension from the RSPO in April 2016.

Indofood (Salim Group)

Indofood is controlled by Anthoni Salim, owner of the Salim Group, one of Indonesia’s biggest corporations. In 2015, Indofood’s revenue was approximately USD 5 billion. Neither Indofood nor its palm oil division IndoAgri have adequate policies and practices in place for responsible palm oil production and sourcing. Indofood has been linked to a range of serious environmental and social problems including the exploitative use of child labor.

Metodologia FAQ

metodologia

Este projeto avalia os serviços financeiros recebidos por mais de 300 empresas diretamente envolvidas nas cadeias de abastecimento de carne bovina, soja, óleo de palma, papel e celulose, borracha e madeira de floresta tropical (“setor de risco de desmatamento”), cujas operações afetam as florestas tropicais naturais no Sudeste Asiático, África Central e Ocidental e Brasil.

Bancos de dados financeiros da Bloomberg, Refinitiv (anteriormente conhecida como Thomson EIKON), TradeFinanceAnalytics e IJGlobal, relatórios (anual, provisório, trimestral) e outras publicações das empresas e protocolos de registros e notícias na mídia e relatórios de analistas foram usados para identificar financiamentos fornecidos às empresas selecionadas para o período 2013-2020 (abril). Os investimentos em títulos e ações das empresas selecionadas foram identificados por meio da Refinitiv, Thomson EMAXX e Bloomberg na data de depósito mais recente disponível, em abril de 2020.

O portal Transparência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o portal do Banco Central do Brasil foram usados para identificar fluxos financeiros adicionais para empresas com risco de desmatamento no Brasil.

Esta pesquisa fornece um conjunto de dados no nível do negócio de relacionamentos específicos entre as empresas selecionadas e qualquer instituição financeira vinculada. Das mais de 300 empresas pesquisadas, apenas 230 possuíam financiamentos identificáveis onde o financiador, o valor do financiamento e a data de início eram conhecidos dentro do período de estudo.

As empresas com atividades de negócios fora do setor de risco de desmatamento registraram valores reduzidos para apresentar com mais precisão a proporção de financiamento que pode ser razoavelmente atribuída a elas em relação às operações do setor de risco de desmatamento (veja Fatores de Ajustamento). Quando as informações financeiras disponíveis não especificavam a finalidade do investimento ou da divisão de recebimento dentro do grupo da matriz, os fatores de redução foram calculados individualmente pela comparação das atividades do setor de risco de desmatamento de uma empresa em relação às atividades totais do grupo da matriz. Ajustadores adicionais foram calculados para empresas que operam em várias áreas geográficas dentro do escopo desta pesquisa.

Os bancos comerciais identificados neste estudo foram avaliados para determinar a força de políticas publicamente disponíveis relevantes para a tomada de decisão de investimento no setor de risco às florestas tropicais e, subsequentemente, pontuados de acordo com uma série de critérios que incorporam padrões ambientais, sociais e de governança. Cada um dos principais bancos recebeu uma pontuação sobre o escopo de suas políticas e seus padrões ambientais e sociais. A Metodologia de Avaliação de Políticas Bancárias sobre Florestas e Finanças é baseada no Guia de Finanças Justas (Fair Finance Guide, FFG) e foca no setor de risco de desmatamento. Veja a Matriz de Política Bancária 2018 para obter mais informações sobre os critérios de pontuação compilados.

Os dados e avaliações apresentados neste site não foram fornecidos ou autorizados por nenhuma das instituições financeiras ou respectivos clientes. Embora diversas tentativas tenham sido feitas para pesquisar e apresentar dados e avaliações de forma precisa e objetiva, é difícil garantir a precisão total. Isso se deve principalmente à falta de consistência e transparência em como as instituições financeiras e clientes do setor de risco de desmatamento registram as principais informações financeiras e empresariais. Onde houver ambiguidade nas informações de origem dos serviços financeiros, os autores deste site agiram com cautela, resultando em uma provável subestimação dos verdadeiros valores de financiamento envolvidos. Os autores estão empenhados em corrigir quaisquer erros identificados o mais rápido possível.

Cronograma de atualizações do banco de dados e avaliações da política bancária:

Setembro de 2016: Lançada a primeira versão de avaliações de políticas bancárias e banco de dados, avaliando serviços financeiros fornecidos a 50 empresas para suas atividades de produção e processamento primário do setor de risco de desmatamento.

Junho de 2017: Banco de dados expandido para cobrir mais de 180 empresas. Metodologia revisada para cobrir toda a cadeia de suprimentos do setor de risco de desmatamento, incluindo comércio e manufatura

Dezembro de 2018: Banco de dados atualizado e expandido para cobrir mais de 190 empresas. Avaliações de políticas bancárias concluídas para mais de 30 bancos com critérios de avaliação Ambiental, Social e de Governança (ASG) atualizados.

Novembro de 2019: Conjunto de dados atualizado com informações de financiamento para mais de 100 empresas até agosto de 2019.

Setembro de 2020: Conjunto de dados atualizado e expandido para cobrir não apenas o Sudeste Asiático, mas também a África Central e Ocidental e o Brasil. O novo conjunto de dados inclui dois setores adicionais: carne bovina e soja, e agora cobre mais de 300 das maiores empresas de commodities de risco de desmatamento. (Veja Metodologia)

1. Qual é o escopo geográfico do conjunto de dados?

O conjunto de dados fornece informações sobre os financiadores de mais de 300 empresas de commodities com risco de desmatamento com operações em países com florestas tropicais, nas três principais bacias de florestas tropicais: Sudeste Asiático, África Central e Ocidental e Brasil.

2. Quais países estão incluídos no Sudeste Asiático?

Mianmar, Camboja, Indonésia, Laos, Malásia, Papua Nova Guiné, Cingapura, Tailândia e Vietnã.

3. Quais países estão incluídos na África Central e Ocidental?

Camarões, Gabão, República do Congo, República Democrática do Congo, Libéria, Costa do Marfim, Gana e Nigéria

 

4. Por que o conjunto de dados cobre o Brasil e não toda a Amazônia?

Nosso objetivo é expandir o conjunto de dados para cobrir toda a Amazônia. No entanto, optamos por priorizar o Brasil, já que o país detém a maior parte da Amazônia (62%) e foi responsável por mais de 80% da perda da floresta entre 2000 e 2017.

Mas a Amazônia não é o único bioma ameaçado. Na verdade, a expansão da soja ocorre principalmente no Cerrado, e as empresas de papel e celulose têm forte impacto na Mata Atlântica. Para lidar com esses impactos e com o vazamento de atividades de um bioma para outro, é necessária uma abordagem holística. É por isso que também mapeamos o financiamento fornecido para empresas do setor commodities com risco de desmatamento em outros biomas no Brasil.

5. Qual é a base das informações financeiras incluídas no site?

Os bancos de dados financeiros Refinitiv (anteriormente conhecido como Thomson EIKON), Bloomberg IJGlobal, TradeFinanceAnalytics, arquivos de registro de empresas, bem como relatórios de empresas disponíveis publicamente, foram utilizados para identificar empréstimos empresariais, crédito e subscrições fornecidos às empresas selecionadas no período de 2013-2020 (Abril). Os investimentos em títulos e ações das empresas selecionadas, foram identificados por meio da Refinitiv e da Bloomberg na data de depósito mais recente disponível, em abril de 2020. Esses bancos de dados financeiros fornecem acesso a dados de mercado em tempo real, notícias, dados fundamentais, análises e ferramentas de negociação e de mensagens. O portal Transparência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o portal do Banco Central do Brasil foram usados para identificar fluxos financeiros adicionais para empresas com risco de desmatamento no Brasil. Leia a Metodologia para obter mais informações.

 

6. Qual foi o critério para a seleção dos mais de 300 grupos de empresas?

Os mais de 300 grupos de empresas selecionados para este estudo estão envolvidos nas cadeias de abastecimento dos setores de carne bovina, soja, papel e celulose, óleo de palma, borracha ou madeira no Sudeste Asiático, África Central e Ocidental e Brasil – coletivamente referidos aqui como ‘setores com risco de desmatamento’. Esta lista pretende ser uma amostra representativa das empresas que impactam ou têm o potencial de impactar as florestas tropicais, e não é uma lista exaustiva de todas as empresas que impactam as florestas tropicais. Outros fatores que levaram à seleção dessas empresas incluem o tamanho delas e a área de terra de operação, o acesso a informações sobre os financiamentos recebidos e os impactos negativos conhecidos de suas operações nas florestas tropicais. Leia a Metodologia para obter mais informações.

7. Todas essas empresas estão envolvidas em operações prejudiciais?

Nem todas as empresas selecionadas para o site estão envolvidas em operações prejudiciais. No entanto, todas estão envolvidos em operações de grande escala em regiões de florestas tropicais e que apresentam alto risco de causar desmatamento e impactos sociais associados. Os bancos que fazem negócios com essas empresas estão, portanto, altamente expostos aos riscos de desmatamento.

8. Por que a Suzano é a principal receptora de financiamento e por que é considerada uma empresa de commodities com risco florestal?

A Suzano é a maior produtora mundial de celulose e recebeu cerca de um quinto do financiamento total para o setor de commodities com risco de desmatamento de florestas tropicais entre 2013 e abril de 2020. O setor de papel e celulose é bastante intenso no uso de capital, já que os custos de construção de novas fábricas de celulose podem chegar a bilhões de dólares. Além disso, a Suzano passou por uma grande fusão (com a concorrente Fibria, em 2018), para a qual obteve financiamento adicional. Devido a essa combinação de fatores, ela se tornou  a maior destinatária individual de crédito.

A maior parte das operações da Suzano não está localizada na Amazônia, mas nos biomas Cerrado ou Mata Atlântica, que são biomas de grande biodiversidade e igualmente carecem de proteção. No Brasil, a indústria de papel e celulose geralmente usa pastagens já convertidas para expandir os plantios de eucalipto. Isso significa que as empresas não desempenham um papel importante no desmatamento direto. No entanto, devido ao tamanho da terra que a indústria de celulose exige (cerca de 100.000 ha de plantações por fábrica), as empresas causam competição por terra. Ao comprar pastagens, eles estão empurrando os pecuaristas para novas fronteiras de desmtamento, como na Amazônia, em busca de terras novas e baratas, contribuindo indiretamente para o desmatamento.

9. O que é o ““Brazil Agriculture Finance Program” (Programa Brasileiro de Financiamento Agrícola)?

É um programa por meio do qual os bancos fornecem crédito subsidiado ao setor rural, conhecido como “Crédito Rural”. Os dados publicamente disponíveis sobre esse programa divulgam os valores desembolsados por banco e por setor, mas não revelam o nome dos destinatários. Os destinatários foram, portanto, agrupados sob o nome de “Programa Brasileiro de Financiamento Agrícola”.

10. O que significa “Small-scale Agricultural Operators Brazil” (Agricultores de pequena escala)?

O banco de dados da Forests & Finance inclui mais de 16.000 empresas de commodities, com risco de desmatamento, que receberam financiamento do BNDES. Para simplificar as opções de busca, elas foram agrupados como “Small-scale Agricultural Operators Brazil”. Para obter uma lista completa de todos os destinatários, você pode baixar o conjunto de dados completo.

11. Por que o valor do financiamento para o setor de soja é relativamente baixo?

A metodologia que usamos é baseada em dados disponíveis publicamente, como relatórios de empresas e dados disponíveis em bancos de dados financeiros, que muitas vezes se referem a empréstimos sindicados. Para o setor de soja, os próprios grandes comerciantes financiam uma parte significativa da safra, e isso não está coberto pelos nossos dados.

12. Por que os valores totais de financiamento para empresas que operam na África Central e Ocidental são relativamente baixos?

A metodologia que usamos é baseada em dados disponíveis publicamente, como relatórios de empresas e dados disponíveis em bancos de dados financeiros. Muitos dos atores que impulsionam o desmatamento na África Central e Ocidental não requerem os grandes financiamentos sindicados que geralmente são registrados nessas bases de dados financeiras. Em geral  não são empresas listadas na bolsa e os cartórios outros registros  nas jurisdições relevantes  não disponibilizam dados suficientemente detalhados ao nível da empresa. Isso torna o acesso às informações sobre relações financeiras mais difícil quando comparado com empresas que estão listadas ou registradas em países onde os registros de empresas fornecem informações detalhadas. Ademais, muitas empresas ativas na África Central e Ocidental também obtêm financiamento de fontes que não são cobertas por este conjunto de dados, como financiadores individuais.

13. Como foi realizada a avaliação das políticas dos bancos?

Para nossa avaliação das políticas bancárias, selecionamos 30 das  instituições financeiras com maior exposição financeira va ao setor com risco de desmatamento no Sudeste Asiático. As avaliações foram baseadas apenas em informações disponíveis publicamente, e cada banco teve a oportunidade de comentar sobre a avaliação preliminar antes da publicação. A avaliação pontua o banco no escopo da implementação de sua política e nos padrões ambientais, sociais e de governança que são esperados de seus clientes. A pontuação total é de 50 pontos.

A última atualização da avaliação das políticas bancárias é de 2018. A próxima atualização será publicada em 2021, e irá incluir também as instituições financeiras que operam no Brasil e na África Central e Ocidental.

14. Quando será atualizada a avaliação das políticas dos bancos

No início de 2021, publicaremos uma avaliação atualizada e ampliada da política de bancos e investidores.

15. Qual é a diferença entre a avaliação de política feita pela iniciativa Forests & Finance e a de outras ferramentas de avaliação de política, como:

Os “Red Lines” do Environmental Paper Network?

A avaliação do “Red Lines” é global, enquanto a avaliação da Forests & Finance se concentra em empresas que operam no Sudeste Asiático; A avaliação do “Red Lines” está focada na indústria de papel e celulose, enquanto a Forests & Finance cobre quatro commodities com risco de desmatamento (óleo de palma, papel e celulose, madeira e borracha); e a avaliação da “Red Lines” não dá aos bancos uma pontuação por suas políticas, mas a Forests & Finance sim. 

Forest 500?

A avaliação de política da Forests & Finance tem critérios mais detalhados relacionados ao desmatamento e à proteção dos direitos humanos, direitos trabalhistas e direitos dos povos tradicionais. O Forest 500 apresenta critérios mais detalhados sobre o escopo das políticas, sua implementação no nível de instituições financeiras e seus relatórios.

O Guia dos Bancos Responsáveis?

O Guia dos Bancos Responsáveis (Fair Finance Guide em Inglês) cobre apenas instituições financeiras em 14 países. Isso inclui Indonésia, Brasil e Japão, mas não inclui Malásia, China ou os EUA – países cujos bancos desempenham um grande papel no financiamento de commodities com risco de desmatamento. A metodologia da Forests & Finance é baseada na metodologia do Fair Finance Guide, mas é mais exigente na pontuação. A Forests & Finance também tem critérios mais detalhados sobre proteção da biodiversidade, proteção do trabalho, respeito às convenções internacionais e estruturas tributárias. O Fair Finance Guide inclui um requisito para a certificação FSC, e a Forests & Finance requer “certificação crível”. O Fair Finance Guide tem critérios mais detalhados sobre relatórios e políticas de cadeia de custódia que as empresas devem implementar.

16. O que os investidores podem fazer para impedir o desmatamento?

Os investidores podem abordar  as empresas diretamente envolvidas nos setores com risco de desmatamento e  os bancos que financiam essas empresas. Para ambos os tipos de empresas, os investidores devem exigir a divulgação completa dos riscos e a aplicação de padrões ASG robustos, e processos de diligência prévia. Consulte a página 4 do livreto da Florestas e Finanças para obter mais recomendações para investidores.

17. O que posso fazer se meu banco financiar empresas incluídas no site?

Como primeiro passo, recomendamos que você verifique se o banco tem alguma política que rege o financiamento de setores com risco de desmatamento. Nossa avaliação das políticas dos principais bancos está disponível aqui. Se o seu banco não estiver incluído nesta avaliação, você pode verificar o site do banco ou perguntar diretamente quais políticas eles têm em vigor para proteger as florestas e as pessoas por meio de empréstimos para o setor de commodities. Dependendo da resposta deles, você pode pedir que implementem uma política ou encontrar um banco alternativo. Nossa pesquisa constatou que os bancos com políticas em vigor ainda estão financiando empresas ligadas ao desmatamento. Portanto, ter uma política não é garantia de financiamento responsável, mas pode indicar que o banco está engajando seus clientes para melhorar seu desempenho, ou pode não estar assegurando que suas políticas estejam sendo implementadas pelos clientes. Sinta-se à vontade para nos contatar via e-mail (info@forestsandfinance.org) se precisar de mais assistência.

18. Quem são as organizações que hospedam este site?

A forestsandfinance.org é um projeto conjunto da Forests and Finance Coalition, composta pela Rainforest Action Network, Tuk Indonésia, Profundo, Amazon Watch, Repórter Brasil e BankTrack.